Efeitos Colaterais da Dopagem

Em parceria com a USADA, ABCD publica vídeos e textos sobre os efeitos nocivos das drogas para melhora de desempenho

Com toda informação, atenção e debate sobre drogas para melhora de desempenho no esporte (ou PEDs, na sigla em inglês para performance-enhancing drugs), muitas pessoas querem entender melhor como essas substâncias afetam o corpo humano.

É um tema de importante preocupação para atletas e, assim sendo, a Agência Anti-Doping dos Estados Unidos (USADA, na sigla em inglês) e a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), bem como outras organizações antidopagem ao redor do mundo, definiram os PEDs como drogas que têm a habilidade ou potencial para alterar drasticamente o corpo humano e algumas de suas funções biológicas, incluindo a habilidade de melhorar considerável o desenvolvimento atlético em certas instâncias.

Essas drogas, no entanto, podem ser extremamente perigosas e, em certas situações, mortais. O efeito negativo que tais substâncias podem trazer ao corpo humano motivou a USADA a alertar os atletas para que nunca façam o uso de PEDs. A agência norte-americana publicou em sua página uma série de vídeos e textos que mostram os efeitos nocivos dos PEDs para a saúde e a ABCD obteve autorização para reproduzir o material no Brasil.

Os PEDs incluem uma série de substâncias, compostos e métodos e, além dos vídeos (em inglês e com legendas em português) que detalham os danos à saúde, os textos classificam as substâncias e seus efeitos nocivos tanto fisiológicos e psicológicos quanto por gênero. Esses textos fornecem, ainda, respostas para questões comuns sobre métodos incluídos na Lista de Substâncias Proibidas da Agência Mundial Antidopagem (Wada, na sigla em inglês) como a dopagem sanguínea.

Além disso, os textos fornecem informações que dizem respeito ao uso legítimo dessas substâncias e quando estes compostos são utilizados indevidamente. Nesses casos, o uso constitui uma violação ética das regras da Wada tanto por parte do usuário quanto pelo fornecedor.

1 - Agentes Anabólicos (incluindo Testosterona)

O uso médico primário destes compostos é feito em tratamentos de puberdade tardia, em alguns tipos de impotência e perdas de funções causadas por infecção de HIV ou outra doença que acarrete perda muscular.

Quais são potenciais efeitos colaterais de abuso de esteroides anabólicos? Alguns efeitos são fisiológicos e psicológicos e têm potencial de impactar qualquer usuário, enquanto outros são específicos por gênero. A lista a seguir cita alguns desses exemplos:

Fisiológico

  • Surgimento de acne
  • Padrão de calvície Masculina
  • Danos no fígado*
  • Encerramento prematuro dos centros de crescimento de ossos longos (em adolescentes), o que pode resultar em atrofia de crescimento*
  • Atrofia de crescimento e interrupção na puberdade em crianças

Psicológico

  • Aumento de agressividade e apetite sexual, algumas vezes resultando em comportamento anormal sexual e criminal, muitas vezes referido como “Roid Rage” (raiva de esteroide, em tradução livre).
  • Retirada do uso de esteroides anabólicos pode ser associados com depressão e, em alguns casos, suicídio.

Efeitos por gênero

Homens

  • Desenvolvimento de tecido mamário*
  • Diminuição dos testículos*
  • Impotência
  • Redução na produção de esperma

Mulheres

  • Engrossa a voz*
  • Cessa o desenvolvimento dos seios
  • Produz crescimento do pelo na face, estômago e parte superior das costas*
  • Crescimento do clitóris*
  • Ciclo menstrual anormal

*Efeitos podem ser permanentes e podem variar por indivíduo.

2. Hormônio Peptídeo, Fatores de Crescimento e Substâncias relacionadas

O uso médico primário destes compostos varia, mas incluem o tratamento de câncer ou ajuda aos bebês nascidos prematuramente. A presença de uma concentração anormal de hormônios e seus metabólitos, taxas relevantes ou marcadores em sua amostra são considerados como indicativos de uso de substâncias proibidas, a menos que você possa comprovar que a concentração era devido a uma condição psicológica ou patológica.

Exemplos incluem hormônio humano do crescimento (hGH), eritropoietina (EPO), insulina, gonadotrofina coriônica humana (HCG) e hormônio adrenocorticotrófico (ACTH).

Vale ressaltar que apesar da presença de alguns fatores de crescimento, preparações com derivados de plaquetas foram removidas da lista de métodos proibidos, já que estudos atuais sobre Plasma Ricos em Plaquetas (PRP), tratamento sanguíneo usado para acelerar a recuperação de lesões, não demonstram qualquer potencial para melhora de desempenho além de um efetivo potencial terapêutico.

Efeitos Fisiológicos

  • Hipertensão (EPO/hGH)
  • Câncer sanguíneo/ leucemia (EPO/hGH)
  • Anemia (EPO)
  • Derrame (EPO)
  • Ataque cardíaco
  • Embolismo pulmonar (EPO)
  • Feminização (HCG)
  • Problemas na tireóide (hGH)

Hormônio de Crescimento Humano (hGH)

Fisiológico

  • Dores de cabeça severa
  • Perda da visão
  • Acromegalia (maxilar, sobrancelhas, crânio, mãos e pés protuberantes ou alargados)
  • Pressão sanguínea alta e falha cardíaca
  • Diabetes e tumores
  • Artrite paralisante


Agonista Beta-2

O uso primário médico deste composto visa tratar condições como asma e outras doenças respiratórias. Alguns estudos têm mostrado que agonista beta-2 tem efeitos de melhora de desempenho quando em níveis altos consistentemente presente no sangue.

Fisiológico

  • Palpitações
  • Dores de cabeça
  • Transpiração
  • Náusea
  • Cãibras musculares
  • Nervosismo

 

3. Diuréticos

O uso médico primário destes compostos visa tratar condições como hipertensão, doenças renais e falha cardíaca congestiva. Se utilizado sem supervisão médica, diuréticos podem resultar em redução de potássio e possivelmente até em morte.

Fisiológico

  • Desidratação
  • Cãibras musculares
  • Tonteiras ou desmaios
  • Queda na pressão cardíaca
  • Perda de coordenação e equilíbrio

 

4. Estimulantes

O uso médico primário destes compostos visa tratar condições como déficit de atenção (ADD/ADHD), asma, narcolepsia e obesidade.

Fisiológico

  • Insônia
  • Ansiedade
  • Perda de peso
  • Dependência e vício
  • Desidratação
  • Tremores
  • Aumento da frequência cardíaca e pressão sanguínea
  • Aumento do risco de derrame, ataque cardíaco e arritmia cardíaca

 

5. Narcóticos

Narcóticos em doses pequenas têm uso médico que inclui alívio para dores acentuadas e sono induzido. Entretanto, overdose de narcótico é uma emergência médica e pode levar a uma depressão respiratória e até a morte.

Sensação de euforia e estímulo psicológico são efeitos comuns no uso dessas substâncias, mas seu uso traz grandes riscos para saúde.

Fisiológico

  • Uma falsa sensação de invencibilidade
  • Náusea e vômito
  • Queda de frequência cardíaca
  • Dependência física e psicológica; levando ao vício

Cannabis (maconha)

A maconha é classificada como a droga número 1 do Ato do Controle de Substâncias (CSA). Isto significa que tem um alto potencial para abuso. Os efeitos do uso da maconha incluem:

Fisiológico

  • Aumento da frequência cardíaca
  • Memória de curto prazo prejudicada
  • Coordenação e reação a reflexos mais lentos
  • Habilidade em se concentrar diminuída
  • Senso de tempo e espaço distorcidos
  • Doenças respiratórias

Psicológico

  • Instabilidade de humor
  • Raciocínio e compreensão de leitura prejudicados

 

6. Glucocorticosteróides

O uso médico primário destes compostos visa tratar alergias, asma, condições inflamatórias e distúrbio de pele, entre outras doenças.

Fisiológico

  • Perda de massa muscular
  • Enfraquecimento de áreas machucadas em músculos, ossos, tendões ou ligamentos
  • Diminuição ou interrupção de crescimento em pessoas jovens


7. Bloqueadores Beta

O uso médico primário dos bloqueadores beta visa o controle de hipertensão, da arritmia cardíaca, da angina peitoral (dor peitoral aguda), de enxaqueca, e sensações de nervoso ou condições relacionadas à ansiedade.

Fisiológico

  • Diminuição da pressão cardíaca
  • Queda no batimento cardíaco
  • Distúrbios no sono
  • Espasmos nas vias respiratórias

 

8. Dopagem Sanguínea

Dopagem sanguínea é a prática do uso indevido de certas técnicas e substâncias para aumentar o volume de hemácias do corpo para transportar mais oxigênio para os músculos. Isso permite que o corpo transporte mais oxigênio para músculos que estejam trabalhando e, portanto, pode aumentar a capacidade aeróbica e resistência dos atletas, configurando doping.

Existem três substâncias ou métodos usados para dopagem sanguínea vastamente conhecidos e nomeados: eritropoietina (EPO), transportadores de oxigênio sintéticos e transfusões de sangue*.

O uso primário de transfusões de sangue e transportadores sintéticos de oxigênio são para pacientes que sofrem perda de sangue massiva, durante um procedimento cirúrgico de grande porte ou causado por um trauma severo. Já a Eritropoietina é usada em tratamento de anemia relacionada a doenças de rins. Entretanto, o mau uso destas substâncias e técnicas podem levar a sérios problemas, como:

Fisiológico

  • Aumento de estresse no coração
  • Coagulação sanguinea
  • Derrame

*Com transfusões, existe um aumento no risco de doenças infecciosas como AIDS ou hepatites.

Fonte: Agência Antidoping dos Estados Unidos - USADA 

 

 

 

Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem – ABCD
Setor de Indústrias Gráficas - SIG, Quadra 04, lote 83
Bloco C, 2º andar, sala 201
Condomínio Capital Financial Center
70610-440 - Brasília DF
Tel: +55 61 3429 6919
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

© 2014 Ministério do Esporte. Todos os direitos reservados.