Ministério do Esporte e Wada conversam sobre fortalecimento das organizações de controle de doping na América Latina

A formação de um bloco de países latino-americanos e o papel de liderança do Brasil nesse processo foram assuntos discutidos em encontro de representantes do Ministério do Esporte e da direção da Agência Mundial Antidoping (Wada), em Lausanne, na Suíça, nesta quinta-feira (22.03), durante o Simpósio Anual da Wada, no Centro de Convenções Swiss Tech.

O secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento, Rogério Sampaio, que representa o ministro Leonardo Picciani no evento, conversou com o diretor-geral da Wada, Olivier Niggli, e com a diretora regional da América Latina, Maria José Pesce Cutri. Também participaram da reunião o diretor de Informação e Educação da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Sandro Teixeira; o diretor de Operações da ABCD, Christian Trajano; e o diretor do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), Henrique Pereira.

Fotos: Paulo Rossi/ME

“Desde a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, o Brasil vem assumindo protagonismo no combate à dopagem”, afirmou Rogério Sampaio, que comandou a ABCD por um ano, até setembro de 2017 – o cargo de secretário nacional hoje é ocupado por Luiz Celso Giacomini. “Um bom exemplo foi o Seminário Legal Antidopagem da América do Sul, que a Wada realizou com apoio da ABCD no início do mês, no Rio de Janeiro, e o 1º Seminário Brasileiro Antidopagem, também no Rio”, citou o secretário de Alto Rendimento. Ele lembrou também o nível de excelência atingido pelo LBCD no cenário internacional de laboratórios.

Outros assuntos discutidos no encontro foram os avanços da ABCD na estruturação da política de combate à dopagem e a participação brasileira no programa de passaporte biológico dos atletas (ABP). Niggli destacou a importância de as organizações nacionais antidoping (NADOs) manterem equipes técnicas de qualidade, independentemente de mudanças de governo.

Laboratório

No início da semana, antes do início do simpósio, foi realizada a reunião anual da Wada com representantes de laboratórios de controle de dopagem. Questões como mudanças na lista de substâncias proibidas, revisão do Código Mundial Antidoping (Code) e atualização do Padrão Internacional de Laboratórios (ISL) fizeram parte da pauta de discussões.

 

“A Wada tem uma atenção muito grande com os níveis de segurança dos laboratórios. Precisamos estar sempre atualizados”, disse o diretor do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), Henrique Pereira.

O trabalho durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, segundo Pereira, garantiu o reconhecimento do LBCD na comunidade internacional. “Atingimos um padrão de excelência que exige esforço contínuo para seguir nesse nível”, explicou o diretor do laboratório, mantido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com apoio do Ministério do Esporte.

Paulo Rossi, de Lausanne (Suíça)
Ascom – Ministério do Esporte